17º Domingo do Tempo Comum – 2021


Domingo, 25 de julho.


Sair da barca significa sair de seu próprio egoísmo, de seu individualismo, de seu fechamento e ir ao encontro do outro, ou seja, é ter misericórdia e compaixão dos necessitados, experimentando também o sofrimento do outro e assim poder auxiliá-lo com a sua caridade e compaixão. Ensinar, significa ensinar com seu próprio testemunho, foi o que Jesus fez quando teve compaixão dos necessitados. Com isso somos chamados a contagiar as pessoas com nosso testemunho, fazendo com que elas mudem de atitude a partir da nossa mudança de atitude.

Na primeira leitura, o profeta Eliseu pede ao homem de Baal-Salisa que dê de comer a cem pessoas, apenas vinte pães de cevada e trigo novo. Mesmo duvidando, o homem deu de comer à multidão e ainda sobrou, porque a lógica de Deus é diferente da lógica do homem, pois Deus é capaz de fazer mais do que imaginamos. No evangelho de hoje, Jesus ensina alimentando a multidão, o alimento necessário para que eles tenham vida em plenitude.

Neste momento, Jesus coloca os discípulos à prova para que eles exercitem a fé, assim como Deus nos coloca à prova diante das circunstâncias e histórias de nossas vidas, que mesmo no sofrimento, Deus nos deu o dom da fé para que possamos olhar a realidade com outros olhos. O Espírito Santo é como um óculos que quando enxergamos sem ele, não entendemos o significado dos acontecimentos, nós vemos o mundo de modo distorcido. Com o Espírito Santo, aquilo que para o mundo pode ser um fracasso, para nós cristãos não é.

No evangelho, a lógica de Filipe foi como a lógica humana, material, do dinheiro, quando ele duvidou que eles conseguiriam alimentar aquela multidão apenas com cinco pães e dois peixes. Sua fé se resumia em bem material, no bem lógico, diferente da lógica de Deus.
O pão simboliza tudo aquilo que sacia as necessidades do outro, pode ser fome de amor, afeto, carinho ou atenção. Por isso hoje as pessoas são tão materialistas, achando que podem comprar a felicidade através dos bens materiais. Nossas relações não podem ser pautadas pelo material, pois não podemos servir a dois senhores, a Deus  e ao dinheiro.

Para a lógica humana, pra merecermos alguma coisa, devemos ser bons, eficazes, competentes etc. Mas para Deus não é assim que funciona, pois seu amor não depende da nossa realidade.

Se você é pequenino no reino de Deus, achando que não tem estrutura intelectual, espiritual, competência, vergonha de falar em público ou de aparecer; isso não importa para Deus. O importante é que possamos usar nossos dons, qualidades e virtudes para o bem do próximo e não para nós mesmos.

Avisos:

Hoje tivemos a graça de comemoramos 37 anos de casamento do Sérgio e da Célia e 39 anos de casamento de Reinaldo e Nilza. Também tivemos presente o padre Isael Santana de Salvador que concelebrou com o padre Manoel.

 

15º Domingo do Tempo Comum – 2021


Domingo, 11 de julho.


Quem é Deus, por que Deus nos ama, e o que Ele espera de nós? Todo amor exige uma reciprocidade, de um lado alguém que ama, do outro quem é amado e que também deve responder ao amor da mesma maneira.

O evangelho de São Marcos é o evangelho mais curto e o mais antigo dos evangelistas, mas é o que mais fundamenta a divindade de Jesus, ou seja, que Jesus é Deus. No evangelho de hoje, Jesus chama os 12 apóstolos e começa a enviá-los dois a dois para anunciar a boa nova.

Na tradição Judaica, para que uma palavra tivesse autoridade, era necessária uma testemunha, então o discípulo que anunciava o reino de Deus teria alguém que o acompanhasse para dizer que aquilo era verdade.

Padre Manoel em sua homilia ressaltou que o cristianismo não é um código de moral, e sim de amor, apesar que devemos ser bons, praticar a justiça, amar o próximo, sermos honestos, fieis etc; algo que está faltando na nossa sociedade moderna, onde o centro que deveria ser Deus, foi substituído pelo homem.

Hoje vivemos o caos da intolerância porque o homem moderno tirou Deus do centro da sociedade. Por isso, para nós Cristãos, o modelo de justiça, de ética e moral está baseada em Jesus Cristo.


O SPFC não tem só no nome o Santo, mas sim diversas pessoas religiosas que de fato cultivavam no coração estes valores éticos e morais – cristãos, e que hoje, graças a elas, podemos participar das missas aos domingos no clube, trabalhando em prol da comunidade e respeitando todo o tipo de religião. A doutrina social da igreja chama isto de bem comum, preservando os relacionamentos entre as pessoas e as dimensões fraternas.

A base de nosso relacionamento é querer o bem do próximo, como diz no segundo mandamento: “Amai vos uns aos outros como Jesus vos ama”; e Jesus nos amou sacrificando sua vida por nós na cruz. Nosso dever com o próximo é amá-lo, perdoá-lo, tolerá-lo, ser paciente, exercer a caridade e ajudá-lo em suas necessidades físicas e espirituais.

AVISOS:

Hoje tivemos a graça de comemorarmos os 35 anos de casamento da Nilsen e do José Augusto que celebram Bodas de Coral. Padre Manoel deu uma benção especial aos dois depois da comunhão.

O Diretor Geral do clube Dedé, Juntamente com o Presidente do SPFC Julio Casares e com o apoio da Mara e Andréia, arrecadaram neste final de semana 300 kg de alimentos em prol da comunidade carente.

Quem quiser e puder ajudar, basta trazer, na próxima missa, 1kg de alimento não perecível.

No final da Missa o Dedé foi presenteado pela comunidade com uma cruz.

Pe Manoel está vendendo a caneca do jubileu em comemoração aos 25 anos de sacerdócio no valor de R$ 50,00. O valor arrecadado será revertido para as obras do Complexo Paroquial de Santa Suzana.

Missa – Jubileu Presbiteral Do Padre Manoel – 25 Anos


13º Domingo do Tempo Comum

Domingo, 27 de junho.


Neste dia tivemos a graça de participarmos da comemoração dos 25 anos de sacerdócio do nosso querido Padre Manoel Corrêa Vianna Neto.

Em sua homilia, Pe Manoel destacou a importância do ato de amar e que foi uma grande alegria ter celebrado este jubileu com a comunidade reunida em comemoração aos seus 25 anos de sacerdócio, e que, mais importante ainda, é celebrar o dom da vida que Deus nos concedeu.

Como diz no livro da sabedoria, Deus não quer a morte e sim a vida. E por que existe a morte? porque o diabo, por inveja de Deus, colocou a morte no mundo. Mas Jesus veio a nós para que todos tenham vida e vida em abundância.

No evangelho tivemos o contexto de duas mulheres que estavam morrendo por causa de suas enfermidades. Jesus aparece na vida delas e realiza um ato miraculoso de vida.

No caso da hemorroísa, uma mulher que teve hemorragia por 12 anos e que ninguém conseguia curar, um dia escutou falar a respeito de Jesus. Para os judeus, o sangue é a vida, e a perda de sangue significa a impureza, ou seja, a morte. Então esta mulher era impura perante à sociedade, e se alguém na multidão a descobrisse que era impura, seria apedrejada até a morte.


E mesmo assim ela teve coragem de ir ao encontro de Jesus em meio à multidão apenas para tocar seu manto, pois ela tinha fé que somente aquele gesto seria capaz de curá-la. E Jesus percebeu, naquele momento, uma força saindo de si e perguntou à multidão: “Quem me tocou?”

Nos dia de hoje, tentamos curar nossos males com as seduções do mundo, e quanto mais fizermos isso, menos experimentaremos a felicidade, porque o homem moderno não é amado e não sabe amar, tornando-se enfermo de amor. Por isso acontece problemas de relacionamento conjugais, onde a mulher não cuida do marido e vice versa, problemas familiares, problemas no trabalho, problemas de concorrências desleais etc.

Não adianta colocar um exército de leis, se o coração do homem continuar enfermo. É o caso desta mulher que tomou uma decisão em sua vida de ser feliz com as coisas de Deus. Fé é a razão de eu entender o porquê que eu passei por esta situação e não por outra. Se você não tem fé, você começa a vivenciar uma grande frustração na sua vida se entregando à depressão ou vivenciar uma neurose de angústia, de medo etc.

A hemorroísa num ato de fé, se pronuncia em meio à multidão e responde a Jesus que foi ela quem tocou o seu manto. E Jesus diz: “A sua fé lhe curou!”

A fé é a condição básica para termos qualidade de vida, saúde, felicidade e realizações.

Já a filha de jairo, chefe da sinagoga, estava morta. Jesus pegou na mão da menina e disse: “Talitá cum” – que quer dizer: “Menina, levanta-te!” Ela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos. E todos ficaram admirados. Jesus recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo daquilo. E mandou dar de comer à menina.

AVISOS:

No próximo domingo dia 04/07, não haverá missa no clube por conta do jogo no estádio do SP.

12º Domingo do Tempo Comum – 2021


Domingo, 20 de junho.

Neste domingo do tempo comum refletimos sobre o evangelho de São Marcos. Em todo o seu evangelho, São Marcos nos explica que Jesus Cristo é Deus, nosso Senhor.

Era tarde em pleno mar da Galileia e Jesus diz aos seus discípulos, “Vamos para outra margem!” O objetivo de Jesus, em ir para a outra margem, era expulsar uma legião de demônios de um homem que vivia nesta região pagã e que estava possesso, região de povos estrangeiros, portanto gente impura e pecadora. Jesus ao expulsar os demônios, os lança em uma vara de porcos que em seguida se jogam no mar da Galileia e morrem.

Antes de chegarem a outra margem, era quase noite e todos sabiam que era muito perigoso andar de barco naquele horário por conta das tempestades, pedras e recifes. O barco sofria com uma tremenda tormenta tempestuosa e os discípulos desesperados recorrem a Jesus Cristo que dormia encostado a um travesseiro.

Noite representa trevas e as trevas simboliza a morte, o travesseiro era, na verdade, um sudário. Na paixão de Cristo o sudário seria usado para cobrir o corpo de Jesus no sepulcro.

Jesus está dormindo (símbolo da morte), na escuridão (símbolo da morte), e usando um véu que é o sudário (símbolo da morte). Jesus está no barco, mas está ali como que morto.

Os discípulos aterrorizados abordam Jesus Cristo dizendo: “Mestre!”, porque ainda não acreditavam que Jesus é Deus, senão teriam dito: “Senhor!” Os discípulos ainda acreditavam que Jesus era um mestre como muitos mestres de Israel.

O barco simboliza a comunidade cristã, a igreja, nossa família e nossa história. O grande perigo é a gente ter Jesus Cristo dentro da nossa vida, na nossa família ou na nossa comunidade, mas crermos que Jesus Cristo está dormindo (morto).

Devemos crer no Jesus ressuscitado, no Deus que ordena a tempestade a acalmar, por isso Jesus pergunta aos discípulos: “Por que tendes medo?” Deus é amor e onde há amor não há medo, pois se amamos Deus de fato, não devemos temer, devemos ter fé! Jesus reconhecia o potencial dos discípulos e sabia que se eles tivessem fé, poderiam superar a tribulação daquele mar.

AVISOS:

Próximo domingo será o aniversário de 25 anos de sacerdócio do Pe. Manoel, como também seu aniversário natalício.

Não teremos recesso no mês de julho, exceto dia 4 por conta do jogo de futebol no estádio.

Solenidade da Santíssima Trindade – 2021


Domingo, 30 de maio.

A Santíssima Trindade é um modo de sermos cristãos no mundo. Devemos fazer o Sinal da Cruz com muito respeito, dignidade e veneração. Em grego o significado da Santíssima Trindade é: dentro do Pai, dentro do Filho e dentro do Espírito Santo; é como se começássemos a oração sendo introduzidos no coração do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Somos homens e mulheres trinitários por causa do nosso batismo, logo nos tornamos anunciadores da boa nova. O primeiro elemento fundamental que a Santíssima Trindade nos ajuda a viver é: amar a Deus sobre todas as coisas (a base de toda religião judaica e de toda religião cristã).

O monte é um lugar de experiência com Deus, pois há Deus como o nosso que conversa conosco? Qual Deus que se fez homem e veio ao nosso encontro? Ninguém está acima de Deus. Este único Deus se manifesta através de três pessoas.

O Pai é o criador, Jesus Cristo é o redentor, que nos liberta das amarras do pecado, e o Espírito Santo é o santificador. Portanto Eles se tornam um no AMOR.

Colocar Deus em primeiro lugar em nossas vidas significa amar o próximo, inclusive nossos inimigos, pois ninguém faz parte de nossas vidas por acaso, porque o Amor de Deus não é um amor egoísta e individualista. Por isso devemos compartilhar este amor com os nossos irmãos.  Se eu amo Deus que não o vejo, eu também sou chamado a amar meus irmão que os vejo, inclusive nas suas particularidades porque ele é necessitado do amor de Deus.

Na direção humana o sacramento do matrimônio se estende à realidade da Santíssima Trindade de forma prática, onde duas pessoas (homem e mulher), se unem a Deus formando um amor trinitário. E o fruto deste amor são os filhos, ou seja, somos chamados a gerar filhos para Deus – a procriação espiritual, para que os filhos também possam experimentar este amor trinitário também chamado de família.

Na igreja, este amor trinitário também se refere à comunidade cristã, ou seja, o cristão católico é aquele que também reconhece que pertence a uma comunidade onde ele se identifica e que cada individuo faz parte de um corpo, que é corpo de Cristo.

Temos um desafio imenso de levar a palavra de Deus, a muita gente que não conhece Jesus Cristo, através de nossas atitudes, testemunhos, serviços e exemplos cristãos.

AVISOS

Foram doados mais ou menos 6400 cobertores, pelos paroquianos da comunidade de Santa Suzana, para os moradores de rua do município de São Paulo, que por consequência da pandemia, aumentou muito o número de moradores de rua que perderam seus negócios, trabalho e até suas próprias casas. A caridade também é uma dimensão da Trindade Santa.

2ª Semana da Quaresma – 2021


Domingo, 28 de Fevereiro.

Estes quarenta dias de quaresma são uma preparação para que possamos celebrar dignamente a festa máxima do Cristianismo – A Páscoa.

Padre Manoel em sua homilia abordou bem o evangelho da tentação de Cristo no deserto onde nela foi atacado pelas três tentações do demônio, nesta hora Jesus não conversa com o demônio mas só se defende, pois como disse Papa Francisco, “Se dialogarmos com o demônio seremos derrotados”.

Na primeira tentação o demônio diz: “Se tu és Deus, transforme estas pedras em pães para saciar tua fome” e Jesus responde: “Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra de Deus”.

Na segunda tentação o demônio diz: “Se és filho de Deus, está escrito que os anjos irão te segurar se saltares de um penhasco” e Jesus responde: “Não tentarás o senhor teu Deus”. Tentação é esta? É a tentação de negarmos nossa história; Jesus é filho de um carpinteiro, de um homem bronco e sem valor perante à sociedade.

Na terceira tentação o demônio diz: “Se me adorar e se ajoelhar perante mim, eu te darei todos os reinos deste mundo” e Jesus responde: “Adorarás somente o Senhor teu Deus”. O demônio é um mentiroso, dizendo que é dono de tudo, enquanto na verdade, não é dono de nada. É quando queremos ser melhores que todos, mas somente Deus é Senhor de nossas vidas.

Na primeira leitura, Abraão teve Isaac com 90 anos e começou a enxergá-lo como sendo a razão de sua vida. Deus coloca Abraão à prova fazendo com que ele reconheça que Deus é a razão de tudo. E depois que Abraão foi provado na fé, a  promessa de Deus foi cumprida.

No evangelho Jesus se transfigura diante Pedro, Tiago e João porque os discípulos não estavam acreditando na ressurreição e que a cruz era um sinal de desonra, então Jesus antecipa aquilo que vai acontecer depois da cruz, ressuscitar no terceiro dia.

Na transfiguração Jesus recebe Moisés que representa as taboas da lei e Elias que representa todos os profetas. Pedro negou Cristo três vezes, Tiago gostava de fazer justiça com as próprias mãos e João era imaturo por conta da pouca idade; os três representam as limitações da humanidade.

AVISOS

Campanha Doação de Alimentos e Roupas

O social do São Paulo fez a arrecadação durante a semana através de uma solicitação de Pe Manoel. São Mais de 200 famílias que a Comunidade São Paulo Apóstolo e Santa Suzana atendem. Segue o convite para você também colaborar com esta doação.

1ª Semana da Quaresma – 2021


Domingo, 21 de Fevereiro.

“Viemos do pó e vamos retornar ao pó!” Padre Manoel em sua homilia disse que recordar esta precariedade humana é muito importante para vermos que a humanidade necessita de aperfeiçoamento, ou seja, de conversão, de um encontro com Cristo.

E que a igreja nos propõe a utilizar, durante este período de quaresma, as três armas que Jesus utilizou para vencer a tentação no deserto: O Jejum, a caridade e a oração.

A estória de Adão e Eva reflete muito bem a realidade do hoje no que diz respeito à atuação do demônio em nossas vidas com suas mentiras, dizendo que podemos viver sem Deus, que podemos ser felizes sem precisar amar o próximo, se aproveitando de seus sentimentos sem medir consequências, entrando assim a morte como consequência do pecado.

Deus não permite que a humanidade continue sendo escrava da morte existencial e antológica, por isso manda seu filho com a missão de restaurar a humanidade, ferida pelo pecado, de modo a gerar vida. Pois a morte que matou Jesus Cristo não conseguiu vencê-lo. E São Paulo Ressalta: “Se nós morremos com Cristo, com Cristo ressuscitaremos!”

A primeira Leitura fala de Noé, que com sua família, constroe uma arca para abrigar os animais, e quando as portas da mesma se fecham, vem o dilúvio e quem está na arca é salvo. Esta figura da arca sempre foi interpretada como a igreja, significando que aqueles que permanecerem fiéis a Deus, renunciando ao pecado e as tentações do demônio, estarão protegidos e serão salvos. Caso contrário, não é Deus que se afasta de nós e sim nós que nos afastamos de Deus.

AVISOS:

Próximo domingo teremos Missa no clube como de costume.

3º domingo do Advento – 2020


Domingo, 13 de Dezembro.

O Advento é o início do ano novo litúrgico que nos coloca sempre como meta a salvação, o propósito da vida de um cristão. Por isso devemos pedir, todos os dias a Jesus Cristo, a santidade.

No Evangelho de hoje Pe. Manoel, em sua homilia,  disse que é difícil ser feliz quando a gente coloca a nossa confiança nas coisas do mundo e que devemos fazer violência contra o pecado.

São João Batista tinha uma fama muito grande onde ele pregava, até a delegação de Jerusalém veio ao seu encontro para lhe perguntar se ele era o messias, o profeta Elias, etc. E ele sabia muito bem quem ele era, e quem não era. São João Batista era a voz que clamava no deserto anunciando a vinda do Messias – e dizia: “Eu não sou digno nem de desamarrar as sandálias daquele que virá depois de mim.”

São João batista fazia a purificação do povo no rio Jordão sendo questionado  pelos Judeus que diziam que a purificação deveria ser no templo.  Já São João Batista se defendia dizendo que o batismo dele era o batismo da conversão.

A voz é o meio usado para que a palavra chegue aos nossos corações, e quando a palavra chega naqueles, a voz já não tem mais função, por isso São João Batista cumpriu sua missão ao preparar o caminho de Jesus Cristo – e dizia: “É preciso que eu me abaixe para que Ele cresça!” Santo Agostinho dizia que São João Batista era a voz, mas a palavra era Jesus Cristo.

Cada um de nós devemos saber quem nós somos, o que Deus quer de nós e qual a nossa missão nesta vida como cristãos. Somos aqueles que, como filhos e filhas, deixamos nossa marca, através do exemplo de fé e conversão nas pessoas, nos nossos filhos e netos.

Somos iguais a uma árvore, que quando crescemos, nossos galhos vão tocando as pessoas com nossos exemplos e atitudes, mas se eu der um exemplo de escândalo, é como se o tronco fosse cortado e nossos galhos secados. Mas se nos arrependermos, Deus com sua misericórdia nos perdoa, assim como fez com Maria Madalena, quando disse a ela após seu arrependimento: “Vá e não peques mais!”

Que sejamos testemunho da luz, da vida e da alegria.

AVISOS:

Próximo domingo não haverá missa no clube por aderir às regras da nova atualização da fase amarela, com previsão de retorno dia 25 /01/2021.

🌟FELIZ NATAL 🙏 E UM PRÓSPERO 2021! 🥂

2º domingo da Quaresma – 2020


Domingo, 8 de Março.

A palavra de Deus veio iluminar esta celebração. São Paulo disse que por causa de Adão e Eva entrou o pecado no mundo, e também, como consequência do pecado, a morte. Onde nós somos semelhantes a Deus? Na capacidade de amar, pois o maior pecado é o da desobediência, ou seja, de não aceitar o amor de Deus em nossas vidas. Apesar de sermos pecadores, Deus não nos abandona, Ele vem ao nosso encontro através de seu chamado.

Abraão experimentou o fracasso e a solidão porque desobedeceu a Deus não aceitando o seu passado, bem como sua história e sua limitação, tendo então, com sua escrava, um filho chamado Ismael, filho dos projetos e da lógica humana. Mesmo assim Deus não abandou Abraão, e lhe disse: “Não é este o filho da minha promessa, o filho da promessa é com tua esposa Sara!”

De um útero seco, Deus fez gerar a vida, pois quando Abraão ouviu o chamado de Deus em seu coração, dizendo para deixar sua terra e se desamarrar de seu passado e de seus pesos, Deus promete a Abraão levá-lo a uma terra aonde correria leite e mel e lhe daria um filho que tanto desejou: Issac. Abraão saiu de Ur e caminhou mais de 2000 km deserto a dentro até a terra prometida que hoje é Israel.

No evangelho, Jesus se transfigurou diante dos discípulos porque ainda não tinham uma fé perseverante, então Jesus teve que antecipar a sua glória, para que os mesmos não desanimassem na caminhada. Por isso, celebrar a missa no domingo é sempre experimentar a glória de Deus nos nossos corações, que nos anima a caminhar e ir adiante sem desistir jamais, mesmo que o mundo diga o contrário. Por isso Jesus diz, assim como Deus disse a abraão: “Coragem eu estou com vocês!”

O cristão é aquele que não deve ter medo das dificuldades, pois somos cristãos porque acreditamos na ressurreição, e cremos que não morreremos pois experimentaremos a promessa de vida eterna com Deus que nos ama enquanto irmãos e irmãs, enquanto família.

São Paulo diz: “As tristezas do tempo presente não se comparam às alegrias que Deus preparou para nós”. Amar não é se apegar, mas viver o amor na liberdade. Quando dizemos no credo: “creio na comunhão dos santos”, dizemos que todos os que foram batizados através da salvação de Cristo, não porque somos bons, mas principalmente porque somos pecadores, pela ação do sacrifício de Jesus Cristo na cruz; são santos e imaculados por Ele.

Jesus é a cabeça e nós somos os membros, como também os membros que já partiram para o encontro de Deus, por isso que a Igreja não é apenas uma igreja física, porque através dela estamos em comunhão com nossos entes que já partiram no amor, na misericórdia e na paz do Senhor, porque Deus será tudo em todos.

AVISOS:

Curso de crescimento na fé com Pe. Manuel. “Quem sou eu, pra onde vou e qual é a minha missão neste mundo”. Início dia 16 de março, segundas e quintas- feiras às 20h30. Paróquia de Santa Suzana. Rua David Ben Gurion, 777.

1º Domingo da Quaresma – 2020


Domingo, 1 de Março.

Estamos vivendo o tempo litúrgico da quaresma que são 40 dias, começando pela quarta feira de cinzas até a quinta feira santa com a Missa do lava pés, seguida da sexta feira da paixão e do sábado de aleluia com a comemoração da Páscoa e ressurreição de Cristo.

Deus querendo expandir o seu amor, criou Adão e Eva para compartilhá-lo, dando a eles o dom da liberdade para que também fossem livres para amá-lo, pois tinham o privilégio de verem a Deus face a face. Nisto, a serpente colocou a mentira no coração de Eva, dizendo que o único fruto que Deus não permitia que eles comecem seria a maçã, que era bela, doce e necessária para adquirir o conhecimento do bem e do mal; e caso a comessem, seriam como Deus. Então Eva, depois de ouvir a serpente, se sentiu traída por seu criador chegando a conclusão que Ele seria seu adversário. Depois de comerem o fruto, tiveram vergonha de si mesmos e com isso veio pecado e a morte existencial, ou seja, a carência de amor.

Este fato ilustra bem a realidade contemporânea no qual o ser humano, por conta da inveja, necessita de afetos e compensações. As redes sociais retratam bem isso, as pessoas postam fotos de viagens, bens de consumo, baladas, namoro, etc aparentando felicidade, enquanto muitos que não têm condições de terem isso, se sentem inferiores e infelizes perdendo tempo vasculhando a vida dos outros nessas mídias.

Jesus foi para o deserto vivenciar um tempo de preparação para algo muito importante que viria acontecer, e neste deserto foi provado, através de seus pontos fracos, pelo demônio, que começou a questioná-lo dizendo: “Se tu és Deus transforme estas pedras em pães!” E na segunda provação o demônio instiga Jesus a tentar Deus. Padre Manoel ressaltou em sua homilia que ter fé, não é somente se afastar dos problemas, mas saber lidar com os problemas tendo uma nova perspectiva, porque é comum as pessoas seguirem a Deus enquanto tudo ocorrer bem, mas basta vir uma crise financeira e perderem tudo aquilo que acumularam durante anos de vida, que se afastam de Deus.

Na última tenção o demônio diz a Jesus: “Se te ajoelhares diante de mim, para me adorar, eu te darei todo reinado deste mundo!” Jesus lhe disse: “Meu reino não é deste mundo! Adorarás ao Senhor, teu Deus, e somente a Ele prestarás culto’”.

Se Deus permitiu que tais fatos acontecessem em nossa vida, é porque precisamos melhorar em alguma coisa, por exemplo, negar o pecado por menor que seja serve para que aprendamos a buscar forças em Deus, igual a uma videira que não é regada constantemente para que ela aprenda por si só a buscar umidade do solo através de suas raízes, fazendo com que elas se fortaleçam e crie frutos resistentes às pragas, pois há relatos de muitas premiações de vinhos feitos por estes tipos de uvas. Por isso não devemos pensar que Deus errou em nossa história, devemos aceitar nossa história para ressignificar a nossa existência.