Solenidade de São Pedro e São Paulo, e Inauguração do Salão Paroquial. 2018

Sábado, 30 de Junho.

Amados irmãos e irmãs,

“E vós, quem dizeis que eu sou?” Perguntou-lhes Jesus.
Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus Vivo!”

Hoje celebramos a festa da nossa Identidade como cristãos católicos romanos… Hoje celebramos os dois movimentos constitutivos de nossa Igreja: a Comunhão e a Missão! Hoje, a dignidade do nosso batismo toma significado a partir da vida desses dois grandes Santos – São Pedro e São Paulo – na medida que com Pedro somos chamados a trabalhar pela unidade, pela comunhão, pela vida fraterna, onde ninguém fique de fora; com Paulo, somos imbuídos do mandato de Jesus: “ide e anunciai” (cf. Mc 16,15), tendo a coragem de proclamar a Boa Notícia com nossa própria vida, com nosso próprio testemunho, aos irmãos e irmãs que ainda não conhecem Jesus Cristo…

No Evangelho Pedro reconhece Jesus como o “Messias”, como o “Filho do Deus Vivo”! Pedro faz sua profissão de fé oral, porque mais tarde vai fazer sua profissão de fé martirial, dando sua própria vida! Ao fazê-la, Jesus o considera afortunado, feliz, porque o Pai o havia revelado… O mesmo acontece com Paulo, que de perseguidor – Saulo – fariseu, judeu exemplar e zeloso, também vai reconhecer Jesus Cristo: “quem és Tu, Senhor? Eu sou Jesus, aquele que você está perseguindo…” e no fim de sua missão também dará testemunho do Mestre entregando sua própria vida: “Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé” (cf. 2Tm 4,7).

Em um sermão do ano de 395, o Doutor da Igreja, Santo Agostinho de Hipona, expressou que São Pedro e São Paulo, “na realidade, eram como um só. Embora tenham sido martirizados em dias diferentes, deram o mesmo testemunho. Pedro foi à frente; Paulo o seguiu. Celebramos o dia festivo consagrado para nós pelo sangue dos apóstolos. Amemos a fé, a vida, os trabalhos, os sofrimentos, os testemunhos e as pregações destes dois apóstolos”. Ambos reconheceram o Messias, ambos professaram a fé no Filho de Deus! E, ao fazerem, também foram reconhecidos por Jesus: Simão se tornou Pedro, a Pedra sobre a qual Jesus edificaria sua Igreja; Saulo se tornou Paulo, grande instrumento de Jesus para a missão, para a expansão de sua Boa Nova…

Assim, irmãos, também acontece com cada um de nós! Deus vem até nós, em nossa história, no momento exato e adequado… Faz conosco um encontro de amor onde nos chama a ser seus discípulos. Como um dia chamou Pedro, Paulo, Maria Madalena etc. Chamou a mim, aos meus irmãos no sacerdócio e no diaconado; às irmãs, na vida consagrada; a vocês, no sacramento do matrimônio. Chamou-nos a todos, sem distinção! Somos construtores da comunhão, do amor fraterno! Somos promotores da Caridade, da partilha, da ajuda fraterna! Somos anunciadores do Evangelho nos diversos ambientes da sociedade…

Estão vendo estas colunas aqui no meio deste Salão Paroquial? Então… Eu, você, todos nós somos como essas colunas. Há muito que se edificar… Primeiro, o Reino de Deus através da consolidação da Comunidade Paroquial. Depois, nossa Igreja Matriz com seu Centro de Pastoral e a Casa Paroquial… Muitos falam que é uma obra grande demais, que custará muito, que poderia ser algo mais simples e pequeno… Eu ousaria tomar emprestado uma frase de São José Maria Escrivá de Balaguer, fundador do Opus Dei, onde ele diz: “Você diz que a Missa é longa, mas eu acrescento: porque seu amor é curto.” E fazer uma paráfrase: Você diz que esta obra é grande e cara, mas eu acrescento: porque sua fé é pequena! Na história da Igreja vemos homens que pensaram grande porque tinham uma fé grande!

Vejam as grandes catedrais na Europa que ainda hoje estão de pé como que para protestar contra o secularismo, contra o ateísmo… Vejam o Vaticano, sede de nossa Igreja e grande lugar de peregrinação! Vejam tantos santuários, igrejas, monumentos projetados, esculpidos, pintados e cantados por tantos artistas de renome que levaram – e levam ainda hoje – os homens a Deus através da arte, através do belo!!! “A beleza salvará o mundo”, dizia Dostoiéwski…

Aqui está, irmãos e irmãs, nossa Missão! Aqui está nosso empenho e comprometimento: sermos colunas, edificarmos a Casa do Senhor! Nestes 22 anos tenho buscado levar a cabo essa missão, mas hoje gostaria muito de contar com você que tem fé, com você que verdadeiramente acredita que esta obra será como que um sinal vivo e eficaz da Palavra, da Comunhão e Unidade, da Caridade de Deus! Aos que não acreditam, aos que têm uma fé pequena, peço: rezem, peçam a Deus que lhes aumente a fé!

Quero agradecer e bendizer a Deus pelo dom da minha vida e do meu ministério sacerdotal. Quero agradecer pelos meus vigários paroquiais que tanto me tem ajudado. Quero agradecer pelos amigos que me incentivam e animam a seguir adiante. Quero agradecer aos meus queridos paroquianos que acreditam em mim e somam comigo! Deus lhes pague a todos! Que Maria, Rainha dos Apóstolos, juntamente com São Pedro e São Paulo nos ajude a terminar a obra que o Senhor mesmo iniciou! Que Ela, que tanto amou e serviu o seu Filho, nos ensine a amá-Lo, honrá-Lo e reverenciá-Lo.

(Pe. Manoel Correa Viana Neto – Pároco)

“Para oferecer bem uma Eucaristia são necessárias três eternidades: uma para prepará-la, outra para celebrá-la e uma terceira para agradecer”. (São João Eudes).

“Nosso querido padre e todos que ajudaram estão de parabéns. Muita gente unindo forças e trabalhando para que tudo desse certo e DEU! Feliz por mais essa conquista do nosso padre que tanto se esforça. Deus abençoe sempre para que aos poucos a construção vá avançando!”

(Pascoal Mário Costa Guglielmi – Ministro da Música)

Salão Paroquial – Rua David Ben Gurion, 777 – Jd. Monte Kemel, São Paulo – SP


Veja Mais


Procurando uma igreja, paróquia ou uma comunidade que seja perfeita, resolvi ligar para o apostolo paulo:

👱🏻 Alô! É o Apostolo Paulo?

🧔🏻 Sim é ele!

👱🏻 A paz do Senhor Jesus!

🧔🏻 Amém, irmão!

👱🏻 Desculpe o incômodo, Apóstolo, mas estou precisando da sua ajuda. É que ando decepcionado com muita coisa na igreja a qual pertenço e estou a procura de uma outra. Estou pensando em participar em Corinto. Ela é uma igreja ideal?

🧔🏻 Olha, a Igreja de Corinto tem grupinhos (1Cor 1,12), tem inveja, contendas (1Cor 3,3), brigas que vão parar nos tribunais de justiça comum (1Cor 6,11), e tem até alguns fornicadores (1Cor 5,1).

👱🏻 E a Igreja de Éfeso?
🧔🏻 É uma Igreja alicerçada na Palavra (At 20,27), mas, ultimamente, tem muita gente sem amor por lá (Ap 2,4).

👱🏻 Hum! Tá difícil, heim, apóstolo! E se eu for para a igreja de Filipos?

🧔🏻 Filipos até que é uma igreja boa, mas tem duas irmãs lá que se chamam Evódia e Síntique que se desentenderam e estão sem conversar uma com a outra (Fil 4,2).

👱🏻 Então, acho que vou mudar para Colossos e começar a participar lá.

🧔🏻 Olha, em Colossos tem uns hereges que estão tumultuando o ambiente.

👱🏻 Que coisa! E se eu for para a igreja dos Gálatas?
🧔🏻 Bem, lá tem alguns cristãos se mordendo e devorando uns aos outros (Gl 5,15).

👱🏻 Não sabia que era tão difícil achar uma igreja perfeita.

Entrei em contato com o Apóstolo João. Pensei, então na possibilidade de ir para Laodiceia, mas João me disse que seus membros estão muito longe da perfeição, pois são orgulhosos, materialistas e mornos espiritualmente (Ap 3,16).

Sabe, irmão Paulo, já pensei em ir para onde a Igreja começou… em Jerusalém, mas ouvi dizer que tem muita gente preconceituosa lá (Gl 2,12-13), além de murmuradores (At 6,1) e alguns se mantém nos ministérios buscando destaque na comunidade (At 5,1-11).

Em Roma a igreja é perseguida pelos pagãos…

👱🏻 E agora, como faço, Paulo?

🧔🏻 Você precisa entender que não existe igreja perfeita, por ser composta por seres humanos.

Há joio no meio do trigo e muitos fiéis genuínos que estão em processo de aperfeiçoamento, alguns mais maduros e outros ainda muito imaturos.

Em breve estaremos na Igreja perfeita, a Igreja dos primogênitos, assembleia dos santos de Deus, que estão inscritos nos céus (Hb 12, 23).

Meu conselho é que desista de procurar uma Igreja perfeita, e seja você a igreja perfeita e santa; e assim passe a procurar uma igreja com líderes sinceros e que estejam bem firmados na sã doutrina. Não deixe de congregar na unidade (Hb 10,25).

Coloque-se à disposição de Deus para tornar-se um membro saudável na edificação do Corpo de Cristo para a salvação de muitos e para a glória de Deus (Ef 4,1-16).

Quando for à igreja, não vá pensando que a Santa Missa, padre ou os irmãos irão agradar ou não, mas vá à comunidade oferecer um culto agradável a Jesus Cristo que é a edificação de sua Esposa, a Igreja!

Solenidade da Natividade de São João Batista

O Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome; fez de minha palavra uma espada afiada, protegeu-me à sombra de sua mão e fez de mim uma flecha aguçada escondida em sua aljava, e disse-me: “Tu és o meu Servo, Israel, em quem serei glorificado.

João declarou: ‘Eu não sou aquele que pensais que eu seja! Mas vede: depois de mim vem aquele, do qual nem mereço desamarrar as sandálias’.

O evangelho de São Lucas, foi proclamado por Pe. Manoel C. Viana Neto, quem também presidiu a Missa. O evangelista relata o nascimento de São João Batista, onde havia completado-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela daria à luz um filho.

No oitavo dia foram circuncidar o menino –  seu pai Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu: “João é o seu nome!” No mesmo instante Zacarias começou louvar e glorificar a Deus. O menino crescia e se fortalecia em espírito. Sua missão era anunciar a vinda do Messias e batizar em nome de Deus.

Durante a procissão da Comunhão, Pe. Manoel abençoou as crianças que também participaram da tradicional Hosaninha antes da Missa; houve também participação das crianças que já fizeram a primeira comunhão recentemente e as dos anos anteriores, como também das crianças de outras comunidades pertencentes à Matriz Santa Suzana. Foi uma manhã de louvor a Deus, com oração, cantos, danças, e visita ao clube.

Depois da Comunhão houve comemoração dos 20 anos de matrimônio de Matusalém e Tathiana, com benção especial e renovação dos votos. Sendo muito gratificante para nós testemunharmos este exemplo de união, amor e fé.

Solenidade da Santíssima Trindade

Domingo, 27 de maio.

A Igreja celebrou a Solenidade da Santíssima Trindade, o mistério central da fé e da vida cristã. Deus se revelou como Pai, Filho e Espírito Santo. Foi Nosso Senhor Jesus Cristo quem nos revelou esse mistério. Ele falou do Pai, do Espírito Santo e de Si mesmo como Deus. Logo, não é uma verdade inventada pela Igreja, mas revelada por Jesus, porque o Mistério de Deus não nos cabe compreender, mas é a verdade revelada.

Todos aqueles que se deixam conduzir pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. E, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e coerdeiros de Cristo; se realmente sofremos com ele, é para sermos também glorificados com ele.

O Evangelho do apóstolo São Mateus foi proclamado pelo Pe. Antônio Cesar, quem também presidiu a Missa. O apóstolo narra a aproximação de Jesus aos discípulos dizendo:  “Ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo o que vos ordenei! Eis que eu estarei convosco todos os dias, até ao fim do mundo”.

Na homilia, Pe. Antônio Cesar enfatizou a importância da Santíssima Trindade, o mistério central da fé e da vida cristã.  Santo Agostinho, doutor da Igreja,  tentava entender como 1+1+1=1, sendo este o mistério da Santíssima Trindade. Num certo dia Santo Agostinho observava um menino tentando cavar um buraco na praia e enchê-lo com a água do mar;  e o questionou. O menino respondeu que seria muito mais fácil encher aquele buraco com toda a água do mar do que entender o mistério da Santíssima Trindade.

Pe. Antônio Cesar também ressaltou a importância do sacrifício entre os casais, no que diz respeito ao perdão, humildade e aceitação: “A Quem devemos mudar? A Nós mesmos!”; ilustrando bem o exemplo da caixinha que guardava um espelho; dizia-se que, ao abri-la,  dentro dela encontrava-se a solução para todos os problemas conjugais.

No final da Missa tivemos a Coroação de Nossa Senhora com as crianças da catequese.

Solenidade de Pentecostes

Domingo, 20 de maio.

A festa da Igreja cristã em memória da descida do Espírito Santo sobre os apóstolos, 50 dias depois da Páscoa.

Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um barulho como se fosse uma forte ventania, que encheu a casa onde eles se encontravam.

Quando ouviram o barulho, juntou-se a multidão, e todos ficaram confusos, pois cada um ouvia os discípulos falar em sua própria língua.

Cheios de espanto e admiração, diziam: “Esses homens que estão falando não são todos galileus? Como é que nós os escutamos na nossa própria língua?

Ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, a não ser no Espírito Santo.
De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito.

O Evangelho do apóstolo São João foi proclamado pelo Pároco Pe. Manoel Corrêa Viana Neto, quem também presidiu a Missa. O apóstolo narra a entrada de Jesus às portas do lugar onde os discípulos se encontravam e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco! ” Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor.

E continuou a Dizer: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados”

Na homilia Pe. Manoel ressaltou a importância da alegria na vida dos Cristãos, assim como a importância do Perdão, e deixou uma tarefa desafiadora: dizer a pelo menos três irmão que Jesus os Amam.