24º Semana do Tempo Comum – 2018

Quem é Jesus para nós? Uns dizem que é o Salvador, o Messias, o herói, nosso irmão porque também é Filho de Deus e que é Pai de todos nós. Mas Jesus é em primeiro lugar nosso Senhor.

No Evangelho, Pedro quis impedir Jesus de passar pelo sofrimento na Cruz,  então Jesus lhe disse: “Afasta de mim Satanás!”

O Primeiro e Maior Mandamento de Deus é: Amar a Deus sobre todas as coisas.
O Segundo Mandamento é: Amar o próximo como a nós mesmos.

Jesus quer nossa obediencia, e para isto devemos seguir seus ensinamentos demonstrando Amor a Deus e ao próximo. A obediência nos torna Cristãos e a partir do momento que O amamos, também amamos nossos irmãos.

São Thiago afirmou que a fé sem obras é uma fé morta! E são Paulo reforça que não basta agirmos senão por Amor.

Que a nossa fé não seja morta, mas sim uma fé coerente, a começar na família, o lugar certo para exercitarmos a prática do perdão, da reconciliação, da partilha, da generosidade, das boas maneiras dizendo por favor e obrigado, da doação sem esperar algo em troca etc. Ou seja, da renuncia de nós mesmos.

Veja o Exemplo de Nossa Senhora: “Atenta a tudo, Maria soube silenciar, escutar e refletir tudo em seu coração”.

Durante a  Comunhão Pe. Manoel abençoou as Crianças, e após, abençoou as bodas do senhor Ettore e de sua esposa Alcida, que comemoraram seus 65 anos de Matrimônio.



23º Semana do Tempo Comum – 2018

Domingo, 9 de setembro.

Na 1º leitura, o profeta Isaías ordena ao povo de Israel:
“Dizei às pessoas deprimidas: ‘Criai ânimo, não tenhais medo!'”

Na 2º leitura, Thiago diz ao povo para não fazerem acepção de pessoas.

Na homilia, padre Antônio ressaltou que a falta de sentido na vida das pessoas faz com que nosso século seja um dos mais marcados pela depressão, por isso devemos escutar uns aos outros: os pais aos filhos, os maridos às esposas e vice-versa, elogiando-os e dizendo sempre a verdade.

Os pobres não são só aqueles que cheiram mau ou são maltrapilhos, os pobres são aqueles que não acolhem as pessoas, pois Páscoa é também acolher as pessoas que passam em nossas vidas.

Deus também permite que nossa natureza primitiva se sinta atraída pelas pessoas bonitas, cheirosas e bem vestidas, para que os excluídos não se acomodem.

Inscrições para o Rally Bíblico: 
https://docs.google.com/forms/

Inscrições para o XVIII Encontro de Casais com Cristo – ECC:
https://goo.gl/forms/WdfLEJLC9cHfZPat1

 

Missa das Crianças – 18º Semana do Tempo Comum – 2018

Domingo, 5 de agosto.

Segue o vídeo da primeira leitura contada pela fantoche Cidinha:

Na segunda leitura São Paulo fala aos Efésios que devemos renunciar a nossa existência passada, despojar-nos do homem velho que vive sob o efeito das paixões enganadoras.

O evangelho de São João, foi proclamado por Pe. Clemente, quem também presidiu a Missa. O evangelista narra Jesus dizendo a multidão: “Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do Homem vos dará!”

O Padre em sua homilia, trouxe uma latinha de Coca-Cola para ilustrar um fato que ocorreu em meados dos anos 80 onde a Pepsi vencia a Coca-Cola na concorrência. Esta se viu forçada a criar uma nova estratégia de marketing que alteraria seu sabor, juntamente com rótulo: New Coke.

Depois disso, cerca de 1500 pessoas ligavam por dia nas fábricas da Coca-Cola exigindo o sabor original, e por conta disto, em três messes, a Coca-Cola substituiu das prateleiras a mercadoria pela tradicional; logo as manchetes publicaram: “A América Escolhe Novamente Coca-Cola Tradicional”.

O povo Hebreu comeu o maná durante a travessia no deserto do Egito ao fugir da escravidão, como está na Escritura: ‘Pão do céu deu-lhes a comer”, e reclamaram deste pão porque, quando escravos, achavam que eram bem alimentados; mas não se deram conta que vivenciariam nesta travessia um período de peregrinação e de libertação, onde cabia a eles persistirem na fé.

As vezes fazemos a mesma coisa com Jesus, exigindo que Ele seja diferente. E queremos, por desagrado, experimentar coisas novas, deixando de lado nossa tradição ao trocar o certo pelo duvidoso, que muitas vezes nos  decepciona. Como numa empresa quando almejamos um cargo superior, mesmo que isto custe nossa saúde mental e espiritual.

Muitos se decepcionam por esperarem algo dos outros que, além de não corresponderem, mal se dão conta desta situação.

Na nossa caminhada Cristã, nem sempre somos servidos conforme gostaríamos, ou como éramos; mas se confiarmos em Jesus e persistirmos, a vitória nos será dada. Assim diz o Senhor: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”.

Madre Tereza de Calcutá nos deu um grande exemplo de persistência na fé, e dizia: “para falar com Deus precisamos fechar os olhos e abrir o coração.”

Após a Comunhão o Padre sorteou a entrega da Capelinha de Nossa Senhora, e o sorteado foi José Pedro. A capela permanecerá em seu lar abençoando sua família durante o mês de agosto.

17º Semana do Tempo Comum – 2018

Domingo, 29 de Julho.

Na primeira leitura, já no antigo testamento, o profeta Eliseu ordenou ao servo, com apenas vinte pães de cevada e trigo novo, dar àquele povo de 100 homens para que comam, e este servo, ao obedecer a ordem de Deus, distribuiu mesmo duvidando. Com isso eles comeram e ainda sobrou.

Na segunda leitura São paulo diz aos Efésios que devemos com toda a humildade e mansidão, suportar-vos uns aos outros com paciência e no amor.

O evangelho de São João, foi proclamado por Pe. Manoel C. Viana Neto, quem também presidiu a Missa. O evangelista narra de mudo muito profundo o segundo sinal de Jesus Cristo, a Multiplicação dos Pães. Já o primeiro Sinal foi realizado em Caná da Galileia, onde Jesus transformou a água em vinho.

O mar da Galileia está a 200 metros abaixo do nível do mar, sendo Jericó a cidade mais profunda do mundo com 400 metros abaixo do mar, e a cidade mais antiga. Jesus segue para o outro lado do mar da Galileia, também chamado de Tiberíades, onde os Judeus desta região, por estarem próximos de povos estrangeiros, eram considerados impuros pelos Judeus de Jerusalém. Por isso Jesus começa e termina seu ministério na Galileia (quando Jesus ressuscita, o anjo diz para os discípulos: “Vão para a Galileia porque lá vos esperam o Senhor!”), porque dali Jesus enviou seus discípulos em meio aquele povo estrangeiro, para mostrar que o Anúncio do Evangelho não é só para os Judeus, mas para todo o mundo.

Estava próxima à Páscoa, a festa dos judeus, e Jesus sobe ao monte e neste monte senta-se para ensinar à multidão de mais ou menos 5 mil homens e pergunta a Felipe: “Como vamos alimentar esta multidão?” Felipe, ainda pensando igual aos seres humanos comuns, responde de forma pessimista: “Senhor, nem com 200 moedas de pratas seria possível alimentar esta multidão!”. Mas Jesus tenta fazê-lo entender que para aquele que crer, nada é impossível e que Deus é o Deus das coisas impossíveis.

Logo André, irmão de Simão Pedro, apresenta a Jesus um menino que trazia consigo cinco pães de cevada e dois peixes, sendo este o único da multidão quem teve coragem de partilhar o que tinha. E mesmo assim André questionou se aquilo seria suficiente para sustentá-los.

Jesus entende a limitação dos discípulos ainda em processo de crescimento na fé, e disse: “Fazei sentar as pessoas”. Jesus tomou os pães, deu graças e os distribuiu aos que estavam sentados, tanto quanto queriam. E fez o mesmo com os peixes. Quando todos ficaram satisfeitos, Jesus disse aos discípulos: “Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca!” E ainda sobraram 12 cestos.

Deus nos dá a graça e nos ordena a multiplicar nossos dons em favor do próximo, a dar para que nos seja dado no tempo certo, e a partilhar. Como diz a letra da canção de Martin Valverde: “Se forem fiéis no pouco, ele vos confiará mais”.

AVISOS PAROQUIAIS:

Semana da Família com Abertura Nacional:

14º Semana do Tempo Comum – 2018

Domingo, 8 de julho.

O verdadeiro amigo é sábio. Ele não procura seus amigos no fórum romano, como também na cúria romana, ele procura seus amigos em sua casa ou entre seus empregados; pois isto lhe aproxima mais de Deus, faz ser amigo de Deus e faz ser do agrado de Deus. Deus que vai na nossa frente, Ele que nos guia, nos dá a graça, nos dá sabedoria, e nos ajuda a seguir seus ensinamentos.

A primeira leitura fala de Ezequiel sendo enviado a uma geração “cabeça dura”,  mas que não se deixou influenciar pelas fraquezas e fracassos daquele povo.

Quando virmos alguém fracassando diante do mundo, aquele sairá vitorioso se acreditar e confiar em Deus.

O evangelho de São Marcos, foi proclamado por Pe. Manoel C. Viana Neto, quem também presidiu a Missa. Disse em sua homilia que há situações onde os pais se decepcionam com os filhos por não seguirem os ensinamentos de Jesus, e ressaltou: “Não devemos desanimar, pois com Cristo, seremos mais que vencedores!!” COM CRISTO EU SOU MAIS QUE VENCEDOR! – Disse São Paulo na segunda leitura, e continuou: “O espinho na carne foi deixado a fim de que eu não me exaltasse demais”.

Se olharmos no espelho veremos que temos muitos espinhos para nos vangloriar, mas se observarmos a fundo, veremos que tais espinhos nos aproximam de Deus, se nos vangloriarmos no Senhor. Disse São Paulo: “Se é para eu me gloriar, eu me glorio das minhas fraquezas – porque quando me sinto fraco, aí é que sou forte”. Seu exemplo fez muitos gregos e romanos se curvarem perante o Senhor. Do mesmo modo, também somos capazes de tais graças, através de nosso testemunho cristão.

Na nona carta Sêneca discorre sobre a Amizade e sua relação com a filosofia:
“Para que você possa ser amado, ame.” e nos alerta sobre o risco das amizades por interesse: Aquele que começa a ser seu amigo por interesse também cessará por interesse.

Fonte: Paróquia Imaculada Conceição – Morumbi

11º Semana do Tempo Comum

Domingo, 17 de Junho.

O evangelho de São Marcos, foi proclamado por Pe. Manoel C. Viana Neto, quem também presidiu a Missa. O evangelista relata Jesus dizendo à multidão que o  Reino de Deus se assemelha a alguém que espalha a semente na terra:

“O Reino de Deus é como um grão de mostarda que, quando semeado na terra, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se a sua sombra”.

Na homilia Pe. Manoel perguntou às crianças da catequese, quais são os frutos que nossos corações devem produzir:

Houve muitas respostas como, amor, inteligência, sabedoria, alegria, paz, felicidade, fé, bondade, perdão e harmonia; e ressaltou que devemos pedir a Jesus que as palavras que ouvimos possam entrar em nossos corações e possamos produzir muitos frutos:

“Senhor Jesus, faça com que o meu coração, seja um terreno fértil, onde tuas palavras, ao caírem em meu coração, possam crescer bem forte, como uma árvore grande produzindo muitos frutos, frutos de amor, de paz, de alegria, de bondade e de perdão; para que eu possa alimentar os irmãos com esses frutos. Amém.”

Deus nos colocou no mundo, que só vamos passar uma vez, para deixarmos nossa marca registrada, ou seja, um sinal para nossa posteridade, onde as pessoas possam reconhecer nossas grandes obras de bondade, começando no nosso lar. Devemos guiar nossos irmãos à santidade.

Como devemos mudar nossa política brasileira? Começando com pequenos gestos de honestidades, ou seja, se quisermos mudar o mundo, devemos antes, mudar a nós mesmos.

AVISOS:

Queridos irmãos, no dia 30/06 teremos a alegria de comemorar o aniversário natalício e também de sacerdócio do padre Manoel.

Aproveitando essa data festiva iremos inaugurar nosso salão paroquial! Haverá uma missa às 17h seguida de um coquetel.

Se vc quiser presentear nosso padre, sugerimos a compra do convite para esse pequeno coquetel após a missa, no valor de R$50,00 reais.

Todo dinheiro arrecadado com a venda desses convites será para a construção do nosso complexo paroquial.

Acreditamos que não exista presente que agradaria mais ao padre do que ver essa obra realizada.

Um forte e carinhoso abraço a todos!

10º Semana do Tempo Comum 

Domingo, 10 de Junho.

O evangelho de São Marcos, foi proclamado por Pe. Manoel C. Viana Neto, quem também presidiu a Missa. O evangelista relata Jesus voltando para casa com os seus discípulos.

No caminho, os mestres da Lei, vindo de Jerusalém, diziam que Jesus estava possuído por Belzebu, e que através deste, expulsava os demônios. Então Jesus os chamou e falou-lhes em parábolas: “Como é que Satanás pode expulsar a Satanás?

Se um reino se divide contra si mesmo, este não poderá manter-se.  Se uma família se divide contra si mesma, esta não poderá manter-se. Assim, se Satanás se levanta contra si mesmo e se divide, este será destruído. E acrescentou: “Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

Na homilia, Pe. Manoel, enfatizou a importância do arrependimento de nossos pecados e consequentemente, nossa reconciliação com Deus. E que tudo Deus perdoará aos homens, exceto blasfemar contra o Espírito Santo, ou seja,  quem não aceitar o perdão de Deus, será culpado de um pecado eterno e não entrará no reino dos céus”.

Durante a procissão da comunhão, Pe. Manoel, abençoou as crianças da catequese e após, houve recados:

Avisos:
Dia 24 de junho haverá a tradicional Hosaninha da Comunidade São Paulo Apóstolo. A comunidade também receberá a visita das crianças das catequeses pertencentes à Matriz Santa Santa Suzana, como também, as crianças que já fizeram a primeira comunhão recentemente e as dos anos anteriores. Será uma manhã de louvor a Deus, com oração, cantos, danças, e também haverá uma visita ao clube.

Dia 30 de junho será comemorado o aniversário natalício de Pe. Manoel, seus 22 anos de aniversário de sacerdócio e a inauguração do Salão Paroquial do futuro Complexo Paroquial da Comunidade de Santa Suzana, onde se realizará as grandes celebrações e Missas Solenes. Será na R. David Ben Gurion, 777 – Jardim Monte Kemel, São Paulo – SP, 05634-001 às 17 horas com a Missa, seguida de confraternização com cocktel.
Fonte: Comunidade São Paulo Apóstolo (Morumbi)

Seja Um Benfeitor!

Preencha o Termo de Adesão, entregue-o preenchido para os irmãos da acolhida, ou faça um depósito espontâneo.